Gripe Suína


INFORME CIENTÍFICO Médico

Epidemiologia
Gripe de origem suína, ainda pouco conhecida em humanos.


As epidemias de gripe surgem porque o vírus causador, o influenza, sofre mutações que o tornam mais transmissível e agressivo, ou facilitam a infecção entre espécies suscetíveis, como pássaros, porcos e humanos. Além disso, o crescimento exponencial de viagens entre os continentes espalha doentes e portadores, multiplicando as oportunidades de contágio por todo o globo.


A morbidade relacionada à gripe suína tende a ser alta, mas a letalidade é baixa (1% a 4%). Foi declarado em abril de 2009, pela Organização Mundial da Saúde – OMS, “Emergência de Saúde Pública Internacional”.


Doença
A gripe suína é uma doença respiratória aguda de porcos, altamente contagiosa, causada por um vírus influenza tipo A. Ocasionalmente, o vírus vence a barreira entre espécies e afeta humanos. O vírus da gripe suína clássico foi isolado, pela primeira vez, em um porco, em 1930.
Como todos os vírus de gripe, estes também mudam, constantemente, dando origem a um novo vírus contendo genes misturados.
Atualmente, há quatro classes principais de vírus de gripe suína do tipo A: H1N1, H1N2, H3N2 e H3N1. A crise atual é causada por um novo subtipo do vírus H1N1.


O contágio
Normalmente, esses vírus não infectam humanos. Entretanto, mutações no vírus permitem que eles contaminem pessoas. Na maioria das vezes, os contágios acontecem, quando há contato direto de humanos com porcos. Mas também já houve casos em que, após a transmissão inicial do porco para o homem, o vírus passou a circular de pessoa
para pessoa. Foi o que aconteceu em Wisconsin, EUA, em 1988. Nestas situações, a transmissão ocorre como a gripe tradicional, pela tosse ou pelo espirro de pessoas infectadas.
Consumir carne de porco não causa a doença. Ao cozinhar a carne a 70º C os vírus são completamente destruídos, impedindo qualquer contaminação.


Sintomas e Diagnóstic
Os sintomas são normalmente similares aos da gripe comum e incluem febre, letargia, falta de apetite e tosse, incluindo dificuldade respiratória, dor de cabeça, dores musculares e nas articulações. Algumas pessoas com gripe suína também apresentaram coriza, dor de garganta, náusea, vômito e diarréia.
A procedência de áreas afetadas como o México, Estados Unidos e Canadá deve ser avaliada.
Testes de laboratório por Biologia Molecular são utilizados para a identificação do vírus de amostras respiratórias.


Tratamento
Na maioria dos casos notificados de gripe suína, houve recuperação completa da saúde, sem
necessidade de cuidado médico e sem o uso de medicamentos antivirais. Alguns vírus influenza desenvolvem resistência aos antivirais, limitando a efetividade do tratamento. Os vírus da gripe suína, detectados recentemente, são sensíveis a oseltamivir e a zanamivir, mas resistentes a amantadina e remantadina. O uso destes antivirais tem sido recomendado como profilaxia por médicos nas regiões afetadas.
As informações disponíveis até o momento são insuficientes para sustentar recomendações de uso de antivirais no tratamento de infecção por gripe suína. Os médicos devem tomar decisões com base na avaliação clínica e epidemiológica, considerando os benefícios e riscos do tratamento para o paciente.
O tratamento com antiviral apresenta boa eficácia como profilático mas pode ser ineficaz, se iniciado 48 horas após início dos sintomas.


Vacinas
A vacina utilizada na Campanha Nacional de Vacinação contra Gripe no Brasil, destina-se somente à proteção contra a influenza sazonal e não protege contra a influenza suína.
As vacinas contra gripe suína em humanos estão em desenvolvimento.


COMO EVITAR O CONTÁGIO DA GRIPE SUÍNA
-Cubra seu nariz e boca com um lenço quando tossir ou espirrar. Jogue no lixo o lenço após o uso.
-Lave as mãos constantemente com água e sabão, especialmente, depois de tossir ou espirrar.
A utilização de produtos a base de álcool para lavagem de mãos é muito efetiva.
-Evite tocar seus olhos, nariz ou boca. Os germes se espalham deste modo.
-Evite contato próximo com pessoas doentes.
-Se você ficar doente, fique em casa e limite o contato com outras pessoas.
-Utilize máscaras apropriadas.